Livro de Ponto

...Soma e Segue...

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Solteiras, Sexys e Felizes?!



Deu para reparar que dei pouco valor ao meu aniversário - à data em si. Eu gosto de fazer anos, faz-me sentir mais forte, mais mulher - sinto que vivo, que tenho saúde e pessoas que fazem parte de mim, da história da minha vida comigo.
Mas essa história (como a maioria delas), tem pripécias, episódios menos felizes...

Em  tempos, apregoei no meu messenger Solteira, Sexy e Feliz - era a capa de uma Cosmopolitan, cuja mensagem eu tentei à viva força enfiar na minha cabeça. Mas que não o consegui por muito tempo.
Tenho necessidade de estar sempre rodeada de pessoas - de não me sentir sozinha, de sentir que pertenço a alguém, que sou especial para alguém.
Ok, dou a mão à palmatória!

Não festejei essa data porque ela foi, no passado ano, muito marcante: iniciei uma vida independente, numa casa, com alguém. As coisas não correram da melhor forma...e em pouco tempo tudo desvaneceu.
Mas eu aguentei. Fiquei aqui, segui em frente. Sozinha, espectante num regresso, num preenchimento.

Passado uma ano, algumas coisas mudaram - embora continue a estar "sozinha", sei que, ser Solteira, Sexy e Feliz, é uma triologia momentânea - encontra-se num sábado à noite, nuns bons saltos altos, num brutal vestido, numa boa discoteca, com uma boa companhia (leia-se amigas) -, mas que de real, de concreto, de exequível...tem muito, muito pouco.

Contradigam-me, se falo mentira.

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Depois de uma semana de ...


Dedico-a aos meus amores, aos que cuidaram e sempre cuidam de mim...
Nestas fases menos boas que a vida tem...


quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Há decisões acertadas em tempos passados que se tornam totalmente erradas em tempos presentes.

So close...So far...


segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Querem lá vocês saber

Está tudo a roer as unhas para saber as prendas de aniversário que recebi! Ah e tal, não sei se me apetece partilhar convosco... deixem-me pensar um bocadinho... hum... hum... ok, eu partilho! Mas só porque estou bem disposta! (que ouvir Expensive Soul dá nisto - é isso e caximbos da paz, não é Nanauuu?)

Adiante.

Já deu para ver que a entrada nos 26 está a ser animada! É verdade! Eu faço parte daqueles 10% que quando está lixada com algo (tem dias) se ri! Hahaha!*

Ah! Os presentes querem vocês saber!
Então vamos por ordem de entrega (não há presentes nem mais nem menos especiais - adoro-os a todos!)


Coisinhas mais lindas! Tenho de fazer uma formação para andar decentemente com eles, mas não são um mimo?!
Vão ficar explendidos com o meu vestido preto às bolinhas! Hummmm ** 

E que bem que cheira! Gel de Banho e Creme de Corpo!
Um docinho de produtos!

Magnifica! Pecinhas Pandora! São recordações, têm história, tem o amor que sinto por quem me a deu!
Fica linda na minha pulseira!
  

Por alguém muito especial que adoro e que admiro muito!
Mas muito é pouco!


De um aluno quiduxo!
É lindo não é?!




*Para terminar o dia em beleza, consegui avariar a máquina de lavar louça e de roupa em simutâneo! Eu sou um achado da natureza! Já vos disse, a NASA é que ainda não me descobriu...


Malta, muito obrigada por todas as mensagens, as palavras, os sorrisos!  

O série um está encomendado - só virá lá para os meus trinta ...
Está esgotado, foi o que me disseram...

** O vestido "O TAL"




domingo, 20 de fevereiro de 2011

É já amanhã!

Finalmente começo a sentir-me em mim! Começo a ser euzinha de sempre! A saúde começa a vir ao de cima e eu a ficar feliz, que já lá foram quatro quilogramazinhos! Bem, anyway, para os que deixam tudo para o final, aqui ficam as útimas sugestões, visto, ter recebido queixas de que a malinha linda da Gucci já não se encontrava...(em coro) Ohhhhhh! Não há problema, encontrei substitutas à altura, aliás, bem mais!

Fiquei muito indecisa entre esta e uma outra, linda, cuja foto não consigo encontrar no site...mas que eu fotografei, porque a senhora da loja é uma querida e de facto, cada vez gosto mais da Valise do Dolce Vita!

Sorri minha linda:


A outra também é neste tom.

Para finalizar, quero só deixar um suspiro, um desabafo, que quem me conhece, entenderá: quem me dera estar colocada...


quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

5 mil



Em celebração das minhas recém cinco mil visitas, resolvi postar algo diferente. Um recuerdo. Sou da geração à rasca, isso vocês já sabem. Mas também sou da geração das Boys Bands! Pois é! A primeira ideia que me veio à mente para o número 5 foi uma das que mais gostava, na altura em que não saía à noite e que colocava o meu rádio Sanyo com leitor de cassetes e também de CDs - muito avançado para a época - com o volume no máximoooooo Quié mãe?! Não tou  a ouvir nada! Ah?!

Era feliz nessa altura. E nem sabia o quanto. Os problemas era males menores - prendiam-se com a minha paixão platónica e idiota da altura e uma ou outra querela com as tipas estupidas-metem-nojo da minha e da outra turma.

Hoje as coisas são um bocadinho diferentes. Acho que deve ser por já não ouvir a mesma música...

Agora, ao ouvir temas como When the lights go out ou Keep on movin,  além das lágrimas de saudade, vem a força, a mesma que me ajudava a  levantar todos os dias para enfrentar aquele terrível 3.º ciclo...
É esta força que tenho buscado na última semana, mas que não tem surgido. Já a procurei em todo o lado...mas não vem! Não entendo. Um estado de saúde que não ata nem desata, um mal-estar geral, uma perca de agilidade...e uma falha total com o meu Lab. Pura e simplesmente pareço um defunto. Sem dúvida. Olheiras. Mais magra (o que até podia ser óptimo, mas não assim). Com lenços e mais lenços atrás. Sem apetite. Com enjoos. Sem sono. Sem nada que me dê alento!

Caramba! Eu não sou assim! Não quero estar assim. Eu sou Invincible!

Amanhã, quando passar em casa dos pais, trago os meus CDs para cima.


segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Pensamento Positivo

A malta hoje em dia acusa a falta de pensamento positivo na concretização e encaminhamento das coisas boas da vida.
Pois bem, digo-vos que se emigrar, será somente por pensamento positivo. A ir, vou para a Suiça e o pensamento mais positivo que tenho é:

Quando regressar a Portugal, no Verão, venho a conduzir um série um.

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Orgulho

Bem, como já referi, venho ver as minhas estatísticas com alguma frequencia. Hoje fiquei agradavelmente surpreendida, ao ver no seu número TREZENTOS! Ena! Para mim foi o delirio! Não obstante, quis saber de onde vinha tamanho fluxo de trafego, ora pois claro! Vem deste post, de um blog que também sigo.
Desde já quero agradecer os elogios sinceros! Fiquei radiante com tamanha cortesia! Obrigada, muito obrigada! Fui sincera no que escrevi no site do Pipoco, como o sou, em tudo o que faço.



sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Crescemos para isto então

Estava, há coisa de dez minutos atrás, a jantar a minha caneca de leite, encostada à banca da cozinha  (visto serem meras vinte e três horas) e dou comigo a divagar...os pensamentos já lá iam longe e...pelo conteúdo dos mesmos, desuso que estivesse a ficar com febre novamente.

Então, crescemos para isto?! É para isto que crescemos?!...

Pergunta a Alice à mãe, já mulher feita, ao chegar exausta de mais um dia de trabalho.
- É para isto mãe?! Foi para isto que eu vim ao mundo? PIOR! Foi para isto que eu quis crescer?
A mãe suspirava enquanto arrumava a cozinha e, de si para si, murmurava "ainda tu não viste nada"...
Alice, muito senhora do seu nariz, continuava a sua pregação:
- Não acredito! Não consigo conceber a ideia de levar todo o resto da minha vida assim! Sem horários, sem contrato, sem ligação laboral, sem um plano delineado para o meu futuro! E PIOR mãe, sujeita a mandarem-me embora sem qualquer justificação! Só porque...sim. Dona Ana, serena nos seus falares, pousou o pano com que limpava o fogão, fez sinal à Alice para se sentar e disse-lhe:
- Alice, filha. O que tu estás a passar, a mãe e o pai já passaram. Já te dizíamos isso em criança, quando querias à viva força crescer para tirar a carta! Calma filha! Haverá dias assim, mas também os terás melhores, com os teus filhos, com o teu marido!
- Mãe! Eu tenho quase TRINTA ANOS! Não tenho marido, nem planeio ter filhos! Não consigo sustentar uma casa sozinha nem progredir no meu trabalho! Não consigo...e dou o meu melhor mãe....todos os dias (chorando)...onde errei mãe?...(soluçando)
A mãe nada disse. Abraçou-a. Deixou-a chorar. Quando Alice se acalmou, deu-lhe um beijinho na face e sorriu: - A vida nem sempre é justa com os que mais merecem.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Saúdes acompanhadas

Agora já não estou sozinha. A minha irmã está a meu lado - a bem dizer eu é que estou a seu lado, pois estou na cama dela, que tem cobertor electrico, do qual não abdico!
Mudei-me para casa dos pais - por tempo indeterminado, até estar bem, ou pelo menos melhor. A minha ruiva foi operada ontem (e eu, do jeito que estava, nem lhe consegui dar o devido apoio). Hoje já regressou, está aqui deitadinha a meu lado e estamos a trocar micróbios e miminhos :)

Realmente, não ter saúde é muito triste...eramos bem mais felizes se andássemos por ai a apanhar borboletas...a rular as nossas BMXs e a brincar às micas. Mas...a vida é assim mesmo. E é nestas alturas que mostramos o nosso amor incondicional.


Entretantos...


Quatro mil visitas! Obrigada Malta, a sério! E eu cá vou seguindo (formosa, mas pouco segura...)

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Oficialmente de molho

Pronto. Tanto andou, tanto andou que...transbordou. Escrevo agora, já com a temperatura estável, medicada, mas ainda de cama, para agradecer as palavras de carinho, de força e de apoio de todos.
Passei todo o dia de cama, febril, sem força para nada...há muito que não me sentia assim...

Agora repouso absoluto - no minino três dias...

Obrigada malta*

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Irrita-me

A sério. Irrita-me solenemente as pessoas que ousam dizer que somos geração rasca! Olha, olha, cada qual que olhe por si e pelos seus - por aquilo que constrói e pela educação que lhes dá/deu!
Olha querem lá ver...ir trabalhar com febre, a cair para o lado, levantar cedo para sustentar uma casa (da qual não devo um cêntimo), chegar e ainda preparar materiais. Venham cá com essas m* de geração rasca...não responderei por mim.


segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Saúdes e Mimos

Deitada.
O corpo não reage.
Falhei a volta com o Lab.
Ele ficou triste, mas não me abandonou.
Está sentado a meu lado e de vez em quando vem me lamber o rosto.

Oram digam lá que o Labrador, não é o melhor amigo da Ana?


domingo, 6 de fevereiro de 2011

Saúdes


E pronto, como era de se esperar a saúde veio um bocadinho a baixo - mas só um bocadinho, que para quem é ruim, nem as batérias querem nada connosco. Além que já não ia ao hospital há um ano e uma pessoa tem de marcar presença.
Enfim...lá fui e as suspeitas confirmaram-se. Siga mais um antibióticozinho e as melhoras...

À noite havia uma banda tributo aos Queen, que eu amo, para assistir. Lá fiz um esforço, pois o corpo aclamava cama, cama, cama e fui - roupa chunga (na medida em que se tratava de uma saída), cabelo simplérrimo e zero de make-up. Mas valeu tanto a pena! Foi como ter o Freddie ali a cantar para nós!

Hoje dormi que me fartei. Como dá para ver ando exausta...desmorecida e apagar faz-me bem. Continuo a ansear por uma colocação (que bem vejo, não virá) e por uma saúde mais forte...pareço uma defunto!

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Comemorações

Haha!
Abro o Google e vejo que o seu logótipo tem um grande senhor da literatura portuguesa - Almeida Garrett. Fico feliz por ainda se lembrarem dos nomes sonantes da nossa língua, mas não pude evitar um certo sarcasmo ao pensar: olha! O tipo que escreveu o pior livro que li em toda a minha vida. Refiro-me às Viagens na minha terra. Felizmente que a abordagem deste livro saiu do programa de Português! Cada vez que me lembro, ainda me dá um nó no estômago…Joaninhaaaaa!



Felizmente tínhamos uma das melhores professoras que tive em todo o meu percurso escolar que o abordou da melhor forma (tentado fazer omeletas sem ovos – que aquilo para mim não tinha ponta por onde se lhe pegar) e, mais tarde contemplou-nos com alguns poemas de Folhas Caídas. Em jeito de conclusão, vou deixar os meus preferidos:

Este inferno de amar

Este inferno de amar – como eu amo!
Quem mo pôs aqui n’alma… quem foi?
Esta chama que alenta e consome,
Que é vida – e que a vida destrói.
Como é que se veio atear,
Quando – ai se há-de ela apagar?
Eu não sei, não me lembra: o passado,
A outra vida que dantes vivi
Era um sonho talvez… foi um sonho.
Em que a paz tão serena a dormi!
Oh! Que doce era aquele olhar…
Quem me veio, ai de mim! Despertar?
Só me lembra que um dia formoso
Eu passei… Dava o Sol tanta luz!
E os meus olhos que vagos giravam,
Em seus olhos ardentes os pus.
Que fez ela? Eu que fiz? Não o sei;
Mas nessa hora a viver comecei…

Não te amo

Não te amo, quero-te: o amor vem d'alma.
E eu n'alma – tenho a calma,
A calma – do jazigo.
Ai! não te amo, não.

Não te amo, quero-te: o amor é vida.
E a vida – nem sentida
A trago eu já comigo.
Ai, não te amo, não!

Ai! não te amo, não; e só te quero
De um querer bruto e fero
Que o sangue me devora,
Não chega ao coração.

Não te amo. És bela; e eu não te amo, ó bela.
Quem ama a aziaga estrela
Que lhe luz na má hora
Da sua perdição?

E quero-te, e não te amo, que é forçado,
De mau, feitiço azado
Este indigno furor.
Mas oh! não te amo, não.

E infame sou, porque te quero; e tanto
Que de mim tenho espanto,
De ti medo e terror...
Mas amar!... não te amo, não.


PS: Almeida, meu querido, não é nada contra ti, absolutamente, mas aquele livro…valha-nos Deus…(parece que a malta do Google também preferiu as Folhas, a julgar pela imagem…)

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

"É mais fácil despedir dois contratados competentes, do que um professor em topo de carreira, incompetente"

A frase não é minha, mas de alguém que me é muito especial e com quem partilho boa parte das minhas frustrações profissionais.

Que estranho país é este que obriga os docentes contratados a avaliações consecutivas (sugeitas a cotas e à cor dos nossos olhos) e não avalia os topo de carreira que dizem à boca cheia em conselhos de docentes que os seus cortes "nos ordenados, servem para pagar os ordenados aos contratados", que não dão aulas - dão fichas - que...estão lá no cimo pelo "adquirido"...um estatuto pelo qual pouco ou nada lutaram...

Que estranho país é este que oferece Magalhães e não constata o seu uso na sala de aula. Que estranho país que não recicla a classe trabalhadora (cansada) por jovens activos cheios de vontade de  "por a mão na massa".

Que estranho país que assiste a tudo isto de braços cruzados.