Livro de Ponto

...Soma e Segue...

terça-feira, 3 de abril de 2012

É costume as pessoas agarrarem-se a algo de bom, agradável e satisfatório para seguirem em frente e minimizarem o que vai estando à sua volta. No que me toca, nem sempre o consigo fazer.
Já disse, por várias vezes até, que a auto-estima nunca foi muito abundante por estes lados, e não é que não me esforce por tentar conquistá-la!
Eu olho à volta e o que vejo não chega para me animar. Bem sei que a situação atual é dramática, que apesar de tudo sou uma sortuda porque tenho a melhor família e amigos, e a sorte de ter emprego.
Diariamente esforço-me por ser mais e melhor. Por dar mais de mim aos outros e também a mim própria. Mas às vezes...é como se o vazio se apodera-se dos meus planos, das minhas conquistas e só me permitisse ver o lado escuro e sombrio da vida. As falhas, o beco sem saída onde parece que nos meteram.
Eu não sou avessa às mudanças, tento nunca o ser.
rose-brytto.blogspot.com
Aceitei de bom agrado o novo acordo, as novas distancias, a sexta edição da APA, as cinco primeiras retificações às minhas documentações de escola...mas agora já chega. Agora estou na fase em que não me chateia, nem enfurece. Agora estou na fase da tristeza. Do "não tenho culpa que não saibam fazer as coisas bem de origem e que à vossa custa os outros processos falhem"... Esta frustração alastrou-se em pouco tempo, como era de esperar. Trouxe-me noites em branco, apetites vorazes e...a desistência (o pleno baixar de braços) de um tema de trabalho de mestrado.
Hoje apetece-me por a cabeça num buraco. Não me sinto derrotada, mas sinto-me sem força para seguir.
Tenho sido omissa em muita coisa neste blog. Muita mesma. Hoje vou-me alongar só mais um bocadinho nas queixas...prometo. Só mais um bocadinho.

Vocês por acaso, alguma vez contaram, nos vossos serviços, a quantidade de gente inútil, frustrada, desagradável e mal humorada que por lá trabalha? Como é que, habitualmente reagem a essa escumalha? E se, imaginemos, tivessem sempre debaixo de olho, sempre com alguém a tentar apanhar-vos em falso? E...desculpem lá o tiroteio de questões, até vasculhassem as vossas coisas? ... Como é que reagem a esse nicho de gente? Conseguem ficar calados por quanto tempo?
Vou só acrescentar mais uns detalhes.
São essas pessoas que comandam as nossas equipas, que ficam com os louros e que, no fundo, condicionam o vosso contrato.

Sabem que mais, estou fartinha de gente mal amada, mal comida, o que seja. E se essas pessoas soubessem ou sonhassem o quão mal me deixam e como esse mal se alastra por mim e pelas minhas coisas...provavelmente eram capazes de fazer ainda pior.


2 comentários:

Paulo Nunes disse...

eu trabalho num instituto publico.. e aqui existe muita mentalidade do não fazer nada ou quase nenhum. Mas comigo ninguem estica a corda porque sou daqueles que dou logo resposta. É verdade que também só me dou com as pessoas que são fixes. Mas é muito dificil mudar estas pessoas.. eles têm estabilidade... e eu não! e isso tambem desmotiva um pouco. Uns com tanto e outros com tão pouco!

Feliz disse...

Confere Paulo!
Eu nao tenho grande chance - aliás, eu vou me calando. Quando me passo, está tudo estragado, porque depois nao meço paavras...
Espero, sinceramente, que nao aconteça...