Livro de Ponto

...Soma e Segue...

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

São 15horas. Consegui que adormecesses e parei para almoçar.
Enquanto bebo um café (nunca bebi tanto na vida) coloco Jason Palmer. Começas a chorar. Paro a música. Adormeço-te. Bebo mais café e vou pegar uns phones.

Levou tempo até que pudesse voltar a escrever por aqui. O novo mundo de rotinas toma conta dos meus dias por inteiro. Mas é bom. É tão bom! (Mexo o café e  tu acordas)
...

Sou mãe! Uma mãe como todas as outras!
Os dias passam a voar, sinto que são tão cheios, tão intensos...mas agora que paro para escrever sobre eles...vejo que se resumem a colo, fralda e alimentação. Dormisses tu umas sonecas de dia...e será que algo era diferente?

Pensei que ser mãe fosse diferente. Claro que todas as mães dão os seus palpites, mas só vivendo as coisas é que percebemos a dimensão desta nova etapa!
Eu, por exemplo, achei que 
controlaria
os sonos do bebé e que isso me permitiria, por exemplo,
fazer exercício
continuar a trabalhar
ter a casa impecável
achei que 
seria uma mãe capa de revista, tipo top, toda impecável no seu salto alto, sempre perfeita a passear o carrinho pela calçada portuguesa
mas tu mostraste-me que quem manda és tu e por isso surpreendi-me quando constatei que
os bebés nascem e (boa parte d´) a barriga fica
e por isso
a roupa continua a não servir e
os sapatos continuam a não apertar...

Depois olhei para mim, e conclui, sou uma mãe como (quase) todas as outras.





quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Às vezes, quando ele se mexe muito e deixa antever as suas formas...eu paro e penso:
eu tenho (mesmo) um bebé na barriga!

E a sensação alegra-me, mas deixa-me também com o coração pequenino e a incerteza de conseguir estar à altura daquilo que se espera de uma mãe...

"O dia em que os lápis desistiram"

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Solto

Será que os nossos governantes não veem nos olhos das pessoas a infelicidade da vida quotidiana? É tão claro..

No que me toca estou saturada da miséria que nos assiste...sinto que andamos de cavalo para burro diariamente...

Lido com o público...e todos os dias me pergunto onde vamos parar.

Surpreendem-se com a baixa natalidade... pagam-se estudos para analisar! Não é obvio?


quinta-feira, 3 de julho de 2014

Desejos de Grávida

Ah sim, claro! Falta-me falar dos desejos! Se tenho? Hum Hum, muitos! Estes três pelo menos:




Sim! Continuo bem humorada! E cheia de vontade de gastar dinheiro em coisas supérfluas...mas mais contida. A verdade é que saber que vamos ser pais faz-nos repensar todas as prioridades...

Caramba pá...

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Vemo-nos para o ano, sim?




Esta foi uma das partes mais difíceis...nada serve. Nada. 
Eu não sei precisar qual a ideia que tinha, mas sim, por certo que achava que apenas a barriga crescia e que, com jeito, toda a roupa me serviria...
A primeira vez foi em março: querer vestir umas calças, umas quaisquer, e na barriga a coisa não ficar confortável... não havia calças que satisfizessem essa condição.
Mais tarde passou-se o mesmo com os calções de verão! Eu sempre achei que iam servir...afinal não apertam na barriga, mas sim um pouco abaixo. Não. Nem eles!

Por isso hoje armazenei tudo (snif para os meus vestidinhos...) numa grande caixa e selei-a com a promessa de que para o ano voltaremos a ser amigos! 

Assim será?

Mamãs, quanto tempo levaram a recuperar as formas?

sábado, 28 de junho de 2014

Passados seis longos meses

Foram duros no início! 
Quantas vezes peguei no computador para começar a escrever (e tinha tanto para), mas depois...faltava-me a coragem, faltavam-me as palavras, faltava-me tudo!

"Estamos grandes". Esta é a frase que resume tudo! Seis meses e uma grande barriga! 

No início foi terrível...os enjoos e o mau estar. Um querer voltar atrás, mas sem chance...talvez justifique, em parte, a ausência. 

E gera ambivalência. Queria(mos) tanto...e esta a ser tão duro!

Toda a gente diz que é fantástico e maravilhoso...uma pessoa a arrastar-se para sair da cama, a morrer para ir trabalhar e com vergonha. Com vergonha de dizer que não acha assim tanta piada a estar mal disposta...que não se sente maravilhada com as dores no peito...mas a querer realçar que não foi um acidente!! (como se sentir-se mal fosse castigo... (?!?) )

Foi complicado. E durou quase quatro meses.

[É preciso coragem para se falar destas coisas...depois continuo.]

domingo, 19 de janeiro de 2014

Fotoliving

Não era hábito. De todo.
Durante muito tempo fomos SÓ nós cá em casa.
Cá em casa havia apenas duas imagens: ambas em quadro, da minha diva, a Marilyn.
Entretanto, durante o tempo que vivi sozinha, entraram duas novas fotos: uma minha, outra do Pi (era o que realmente importava na altura).

Depois veio uma nova etapa de vida (o casamento) e com ela, novas fotos!
É o avançar da vida, o registar de acontecimentos felizes: despedida de solteira, com as minhas amigas e depois o casamento.

Fico às vezes a olhar para elas e a pensar qual será a etapa seguinte...embora todos saibamos qual é! 

Viver é de facto uma coisa extraordinária...




segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Fios Brancos

Não param de aparecer...a uma velocidade tão rápida que não dá para me habituar à ideia de que estou a envelhecer.
São eles, os cabelos brancos.
Da genética da família fui herdar da mãe esse triste destino. Tenho tentado disfarçá-los, mas praticamente em vão: eles fazem questão de aparecer, bem, bem, à minha frente...
Claro que parece um tema fútil. Mas que quero registar. Há uns anos atrás também aqui escrevi que tinha alguns...mas agora já são mesmo muitos...
Às vezes, quando estou mais bem disposta, desdramatizo e idealizo que quando ficar praticamente "branquinha" poderei-me tornar (finalmente) loura platinada!...Mas quando o meu cérebro não está para esses pensamentos virado...até as lágrimas me vêm...

Tenho de aceitar as evidências: estou a ficar velha.

A comprová-lo há também os repetitivos momentos em que digo aos meus alunos: quando eu era da vossa idade. Eles, claro, olham para mim (como eu olhava para os adultos há uns anos) e em rodapé leio-lhes "como se alguma vez tivesses sido da nossa idade"...

É isto...a caminho dos trinta...

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

As despesas de um mês chamado dezembro...

Olá pessoas!
Finalmente voltei aqui!
Desde a última vez que escrevi algumas coisas foram acontecendo!
Para começar, o mestrado! Está concluído! Correu tudo bem! Não tive uma nota extraordinária, mas ficou acima do meu limite! [tive 17 e ter tido menos de 16 era mau de mais!]
No mesmo dia apanhei a minha primeira multa! Sim. 12 anos de carta de condução e tinha de ser precisamente nesse dia! 120 euros por ter parado na auto-estrada 30 segundos...[estava "perdida" na A8 e queria ir a N.Srª de Fátima, pelo que encostei à berma para colocar "F_A_T_I_M_A" no GPS e o ser agente da BT estava já a bater-me no vidro. Pedi, implorei, [quase que me ajoelhava] mas foi em vão. Ainda me disse: "não chore! Isto não é nenhum crime!"... "Já viu se um carro lhe bate?" - ya, na A8 "a auto-estrada fantasma"... "A srª foi filmada, temos de a multar"... [tal como aconteceu quando me faltou o gasóleo na A5, a saída era um quilómetro à frente...]
Como se não fossem suficientes as despesas desse mês, o meu Pi resolveu presentear-nos com mais uma dermatite. Fomos à clínica onde habitualmente é tratado, mas estava fechada. Receando pontes e fins de semana, decidimos levá-lo a uma outra [da qual já não tínhamos boa impressão] e fomos literalmente espremidos. Quase 100 euros para o cão sair de lá com betadine na pata..., antibiótico para duas semanas e uma receita de uma pomada que não existe no mercado há dois anos..ah! E para termos de voltar novamente com ele ao veterinário - desta vez à "nossa" clínica.

Enfim. Foi o verdadeiro regabofe de despesas em dezembro.

Das partes boas do último mês de 2013 ressalvo a entrega do vídeo de casamento (que adorámos!) e algumas fotos escolhidas por nós, como a da imagem!