Livro de Ponto

...Soma e Segue...

domingo, 8 de março de 2015

Chegar aos trinta

Era esta a meta. Chegar aos trinta e estar feliz.
Venho então agora fazer esse balanço:

Tinha imaginado a minha vida aos trinta, mais ao menos como a que levo agora, com uma ou outra nuance.
(Para começar, achei que estaria a escrever melhor -.-' )

Bem, não consegui ter o bmw série 1 branco como durante anos desejei...fiquei pelo meu pequeno Fiat 500 que adoro! 
Casei. Era um sonho desde que me conheço como gente. Tive uma festa linda e um dia muito feliz. Foi, de facto, como imaginara!
Tive um filhote. Uma peste durante a noite, mas um docinho! É o meu nenuco! Lindo que só ele, com o sorriso desdentado mais bonito de sempre!
Tenho trabalho. Não dou aulas numa escola, como desejaria, mas abri o meu espaço. Tenho muitos meninos e sinto-me praticamente realizada! (Falta o clima de escola, um sentimento que não sei bem explicar. Algo que senti quando tinha as minhas turmas...)
Continuo muito próxima da minha família (com quem passo os meus fins de semana) e dos meus amigos (com quem embora passe menos tempo - já não há as loucas saídas - tenho uma amizade ainda mais sólida).


Aos trinta é mais ao menos isto. Sinto-me mais mulher, mais feminina e mais feliz do que me sentia, por exemplo, aos vinte e cinco. É uma maturidade diferente que nos permite olhar a vida com outros olhos, com outra experiência. Como diz a Bailarina, as certezas mudaram.

Do que passou tenho saudades particularmente dos sábados à noite: gostava muito de sair com as minhas amigas, de dançar horas a fio, de calçar o salto alto e aguentar toda a noite! 
Mas só isso.
Gosto muito mais de mim agora, tenho muito mais orgulho em quem sou, agora.

Por isso, e em jeito de conclusão, concluo que sim, que aos trinta a vida resolve-se, a vida compõem-se...

Aos trinta sou feliz!